"Minha vida é monótona. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei o barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora como música.E depois, olha! Vês, lá longe, o campo de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelo cor de ouro. E então serás maravilhoso quando me tiverdes cativado. O trigo que é dourado fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo…" (Antoine de Saint-Exupéry - Trecho de "O Pequeno Príncipe")

domingo, 1 de fevereiro de 2009

O céu é o meu limite!




Tendo nascido sob o sol a pino,
Maltratado pelo tempo,
criado para ser forte e duro,
Tenho desejos ocultos,
Um mundo de mim!

Um sorriso fácil,
Alegria constante,
Ansioso por crescer,
e por um banho de mar...

Bobo com um olhar,
Amo com vontade e pressa,
Não perco tempo
Quente e sem medos,
Forte, porém doce,
Minhas mãos duras com um toque leve e firme,
Apenas quero o céu como limite!

Renato de Oliveira Santos

3 comentários:

Kátia Campos disse...

Gracias pela visita.
Gracias tbém por me acompanhar. Vou passar rápido por aqui, hoje. Amanhã volto com calma. Pode apostar que sim
Boa noite!

Vou Ser Feliz e Já Volto disse...

Oi Renato,

Dando uma passeada por aqui e encontri seu blog lindo, diferente, novo design. Amei!

Lindo o poema viu, continue a escrever e mostre-nos os sentimentos guardados aí dentro.

beijos,
Dallva Olliver

Anônimo disse...

"RE"...

Foi com muito orgulho que me deparei com essa tão intessa forma de carinho que tens por mim.

Descreveste à mim como quem ler um livro, tens um profundo dom de sentir sua poesia e transforma-la em realidade ou vise-versa "quem saberá".


Um forte abraço, meu poeta!